Vamos Respirar

 

Paulo Moraes

2016

E            E4(6)

Vamos respirar,

E7M           E4(6)

Sentir, soltar

E                 E4(6)

Vamos respirar,

E7M        E4(6)

Sentir, soltar

E    E7M    E4(6)    E7M

E voar com o vento

 

E             E4(6)

Vamos respirar,

E7M            E4(6)

Sentir, soltar

E               E4(6)

Vamos respirar,

E7M             E4(6)

Sentir, soltar

E        E7M          E4(6)         E7M

E voar com o vento

 

E            E4(6)

Vamos cantar,

E7M            E4(6)

Sorrir, brincar

E              E4(6)

Vamos cantar,

E7M            E4(6)

Sorrir, brincar

E      E7M      E4(6)     E7M

E ser feliz com o tempo

 

E            E4(6)

Vamos respirar,

E7M           E4(6)

Sentir, soltar

E             E4(6)

Vamos respirar,

E7M      E4(6)

Sentir, soltar

E      E7M        E4(6)       E7M

E voar com o vento

E      E7M       E4(6)        E7M

E ser feliz com o tempo

Caros amigos(as),

Comecei uma série publicando as minhas músicas e a história da construção delas. A cada domingo postarei uma, na ordem cronológica em que elas foram compostas. Boa leitura, boa audição! Bom domingo, aprendam coisas boas, se divirtam e sejam felizes!

 

Bom dia, Bom domingo. Domingo no parque, D. na praia, D. em casa. Em qualquer lugar, o domingo pode guardar uma música para clarear. Basta com um clique despertar o que está no ar. A onda melodias irá te levar. Hoje, “vou te contar o que os olhos já não podem ver, coisas que só o coração pode entender...”. Vou te contar a história da música "Vamos Respirar", a minha primeira composição, inspirada no livro "Os três porquinhos da Índia". Essa música me auxiliou a contar a estória para as crianças. Ela surgiu com o intuito de lembrar a todos de respirar, sentir e soltar. Nos grandes centros urbanos, com a vida estressante e sedentária, muitos estão tento dificuldade de apresentar uma respiração completa e profunda. Ficando na superficialidade da amplitude respiratória, o indivíduo está sujeito a uma série de doenças e fraquezas. No livro, a prática do prānāyāma corresponde às páginas 36 e 37, que são exercícios voltados para o controle respiratório e produção de sensações prazerosas a partir da liberação do fluxo do prānā, energia sútil que habita o nosso corpo,